Goiás é referência nacional em papiloscopia e investigação criminal

Papiloscopistas comemoram avanços dos serviços de investigação e inteligência integrada das forças de segurança contra o crime organizado no Brasil e em Goiás. De acordo com o presidente da Federação dos Peritos Oficiais em Identificação (Fenappi), Maciel Aguiar Filho, o estado de Goiás está se tornando referência no País com a criação da Agência Estadual de Inteligência. “A agência garante unificação de dados, cadastros e registros em uma única plataforma digital que otimiza o tempo dos profissionais e aumenta da qualidade das informações com segurança e riqueza de detalhes”, comemora. Em entrevista exclusiva ao Diário do Estado, o presidente informou ainda que 100 papiloscopistas e datiloscopistas serão contratos para reforçar o efetivo de investigação e inteligência da Polícia Civil goiana.

Maciel lembra a importância da papiloscopia na elucidação de crimes, identificação de criminosos, cadáveres e catástrofes, fraudes ou alterações em documentos. “Usamos a ciência e a tecnologia par criar um cadastro digital único. O Goiás Biométrico é uma plataforma digital integrada que coloca Goiás na frente de outros Estados em relação à digitalização civil e criminal por meio de biometria”. Ele destaca ainda que as facções criminosas que atuam em Goiás, especialmente dentro das unidades prisionais, foram identificadas através de investigações inteligentes, com a utilização da ciência.

“Os criminosos são organizados e a polícia precisa de criar mecanismos de investigação para desarticular quadrilhas e facções. Avançamos muito, mas precisamos de uma política de unificação eficiente e menos burocrática para que o processo de combate ao crime organizado não fique engessado”, avaliou Maciel. De acordo com o representante nacional dos papiloscopistas é preciso acabar com as fronteiras da polícia, que limitam as investigações por atribuições definidas, ao contrário do crime que não tem fronteira nem limites de atuação. “A criminalidade está sempre à frente da polícia porque não tem entraves internos”, completa.

Atualmente, os 139 peritos papiloscopistas utilizam o sistema AFIS para identificação digital para elucidar crimes em Goiás. De acordo com Maciel, esta ferramenta permite a identificação de cadáveres em decomposição, carbonizados e esqueletizados. “Em 2014 começamos a utilizar o AFIS e, desde então, temos alcançado aumentos gradativos de identificação. Em seis anos, 700 pessoas foram enterradas como indigentes pela dificuldade de identificação manual. Com a ferramenta digital, identificamos cerca de 10 corpos e informamos as famílias”, relatou.

“O papel desse profissional é muito importante para a população e para o sistema de investigação criminal e civil. Por isso comemoramos no último sábado, 3, o dia do Papiloscopista”, relatou. Na ocasião, a Fenappi homenageou o ex-diretor geral da Polícia Civil, Álvaro Cassio, o vice-governador do Estado, José Eliton, o vereador Eduardo Prado e o deputado federal João Campos, pelo empenho e compromisso em garantir melhores condições de trabalho por meio de políticas públicas, aumento de efetivo, investimento em tecnologia e reconhecimento da categoria.

Patrícia Santana

 

Fonte: Diário do Estado