SEÇÃO 

 

Inserida na Coordenação de Serviços Integrados, Pesquisas, Desenvolvimento e Inteligência do Instituto de Identificação, a Seção de Inovação em Identificação Humana (SIIH) foi consolidada no organograma da Polícia Civil do Estado de Goiás por meio da Portaria nº 533/2017 – GDGPC/PCGO, de 19 de outubro de 2017, e da Portaria nº 22/2017 – GI/PCGO, de 06 de novembro de 2017.

 

A Seção é responsável por dar suporte a ações integradas visando a captação, criação, desenvolvimento, aplicação e a difusão de tecnologias e conhecimentos técnico-científicos inovadores na área de identificação humana, direcionadas à produção de prova da identidade de uma pessoa ou da autoria de fato ilícito nas esferas civil, administrativa e criminal.

 

CURIOSIDADES

 

Dentro do escopo da identificação humana, atualmente a Seção fomenta inovações nas áreas listadas abaixo:

 

  • Papiloscopia: estudo das saliências da pele associada às características morfológicas, composição, formação, deformação, alteração, mutação, influências exógenas e endógenas, e variabilidade estatística dos desenhos papilares e de sua disposição na anatomia humana, inclusive nas mãos e nos pés;
  • Necropapiloscopia: estudo da Papiloscopia aplicado a cadáveres em diferentes estágios de conservação ou degradação (putrefatos, macerados, queimados, carbonizados, saponificados, mumificados, embalsamados ou congelados);
  • Poroscopia: estudo dos poros do tecido epitelial e de sua variabilidade estatística;
  • Representação Facial Humana: arte forense consistente na ilustração de faces humanas com qualidade fotográfica por meio do emprego de técnicas científicas de entrevista e de editoração computacional de imagens;
  • Prosopografia: identificação humana por imagens extraídas de fotografias ou vídeos;
  • Documentoscopia aplicada à Papiloscopia: estudos e exames voltados para o controle de autenticidade e segurança dos documentos oficiais emitidos pelo Instituto de Identificação, a exemplo da Carteira de Identidade e da Folha de Antecedentes Criminais;
  • Identificação por meio da linguagem corporal e comportamental: individualização pessoal por meio da interpretação de traços distintivos, como as comunicações verbal e não verbal, e análise da veracidade do discurso, cujos trabalhos estão sendo desenvolvidos no Laboratório de Identificação Facial das Expressões, Emoções e Veracidade (LIFEE-V);
  • Novas biometrias e soluções tecnológicas de identificação: busca por avanços e captação de tecnologias biométricas mais precisas, como acompanhamento da evolução do Sistema Automatizado de Identificação de Impressões Digitais (AFIS – Automated Fingerprint Identification System) e dos Sistemas de Identificação Automatizada de Biometrias múltiplas (ABIS – Automated Biometric Identification System), assim como novos métodos de identificação humana, inclusive à distância, a exemplo do reconhecimento facial por câmeras de segurança.
  • Desenvolvimento de materiais, métodos e técnicas para apoiar e aperfeiçoar os trabalhos desempenhados pelos peritos em papiloscopia: são exemplos a elaboração de protocolos com bases científicas para execução de entrevistas conduzidas por estes profissionais, especialmente aplicados em Retratos Falados e apuração preliminar de falsidades envolvendo Carteiras de Identidade, assim como estudos em anatomia humana, morfologia facial, informática, matemática e estatística.